A indústria musical está lutando para lidar com as mudanças no consumo de música e as marcas ainda não sabem exatamente como vão se posicionar para manter os negócios. O estudante americano Micheal Anderson, num exercício acadêmico de rebrand, escolheu a Capitol Records para criar um novo posicionamento e identidade visual que lide com esse contexto.

A ideia parte de um novo conceito de “propriedade” da música. Assim, a marca passa a focar em serviços, no envolvimento do consumidor e, claro, em shows ao vivo. Como aqui focamos em design, é inegável que a identidade ficou muito bonita. Gosto, em especial, das forma como as cores e forma do logo aparecem nas fotografias.

Compartilhe: