Semana passada, começamos uma parceria com o Design PVC para colocarmos conteúdos relacionados a esse material, tão comum em nossas vidas. É bem bom saber que o PVC é um material altamente reciclável, mas havíamos nos questionado se o valor de cerca de 14% 17% de reciclagem aqui no Brasil era alta ou não.

Pois o colega Edison Carlos da Solvey Indupa nos ajudou a sanar as dúvidas sobre reciclagem de PVC. Obrigada Edison!

“Internacionalmente, o índice de reciclagem dos plásticos em geral (não somente PVC) gira em torno dos 15 a 20%, com exceção a alguns países europeus (Alemanha, Suécia, Bélgica e outros), pois esses possuem sistemas de coleta seletiva já muito antigos e também caros para o cidadão, que é quem paga pelos sistemas de coleta e tratamento do lixo urbano. Vale lembrar também que uma importante parte desses resíduos é queimada em incineradores de alta tecnologia – o que ainda não existe no Brasil.

grafico

A baixa taxa de reciclagem também se explica porque quando falamos do termo geral “plásticos”  na verdade estamos falando de diferentes tipos de materiais com características bem diferentes entre si. Por exemplo, as chamadas “poliolefinas” – polietileno e polipropileno – são muito usadas no setor de embalagens, tais como os frascos de cosméticos, produtos de limpeza, sacolinhas, entre outros. Sendo assim, uma grande parte desse material rapidamente vai para o lixo. Esse também é o caso do PET usado em garrafas de refrigerantes, água, óleo de cozinha, etc. que também viram resíduos rapidamente.

Os sistemas de coleta seletiva no Brasil ainda são muito poucos e restritos a algumas cidades. Sem coleta seletiva dos resíduos, fica muito difícil encontrar o material ainda limpo a ponto de ser reaproveitado na reciclagem. Qualquer contaminação destes resíduos plásticos por alimentos, gorduras, etc. praticamente inviabilizam a reciclagem porque para limpá-los seria necessário usar um volume enorme de água e alta temperatura, o que mais prejudicaria o meio ambiente do que ajudaria – além de elevar tremendamente os custos.

O PVC é diferente. Primeiro porque ele é composto somente 43% de petróleo e o restante é 57%, é cloro, que vem do sal marinho e cujas reservas mundiais são consideradas intermináveis. Outra diferença fundamental é que, do volume total produzido de produtos em PVC, mais de 65% vai para produtos da construção civil, cujo tempo de vida é estimado em mais de 50 anos (tubos e conexões, janelas, revestimentos de fios e cabos elétricos, portas-sanfonadas, eletrodutos, forros, pisos, etc. Isso faz com que seja difícil encontrar resíduos de PVC no lixo urbano. Muito pouco PVC é usado em embalagens.

Juntando tudo isso, vemos que a taxa do Brasil para reciclagem de PVC é muito boa. Claro que pode e deve ser melhorada. Para isso, o Instituto do PVC faz pesquisas a cada dois anos para encontrar os recicladores que estão espalhados pelo país. O trabalho é facilitar que o catador/reciclador encontre o resíduo e assim aumentar essas taxas. Da mesma forma que os outros plásticos, o PVC também carece de mais coleta seletiva no país, mas o Instituto do PVC tem tentado ajudar os recicladores que optem por este material”.

E você, está fazendo a sua parte??

Compartilhe: