Como havíamos pedido, algumas pessoas mandaram suas sugestões de outras mulheres importantes do design, e como prometido, vamos completar nossa galeria aqui, merecidamente reconhecendo essas outras “divas” do design.

Uma delas é Ana Luísa Escorel designer, editora e escritora na área, que pelo jeito não gosta de aparecer, porque não encontramos nenhuma foto dela para por aqui. Uma pena, porque ela tem uma carreira significativa nos escritos sobre design, como com seu livro “O efeito multiplicador do design”, além de contribuições até hoje para revistas e jornais. Junto com Evelyn Grumbach e Heloisa Faria, Ana Luísa manteve o escritório A3, que funcionou até 1997.

Evelyn é outra profissional que não podíamos deixar de lado, ela que integrou a equipe de Aloísio Magalhães e hoje comanda o escritório eg.design.

E como esquecer de Lucy Niemeier, professora da ESDI e especialista em comunicação, semiótica e autora dos livros “Design no Brasil: Origens e instalação“, de 1997, “Tipografia: uma apresentação“, de 2000, e “Elementos de semiótica aplicados ao design“, de 2003.

Anamarian de Moraes é um nome brasileiro importante na área de ergonomia, e em design gráfico podemos falar de Priscila Farias. Na área de superfícies, nossa maior especilista e articulista na área, Renata Rubim.

E como apontou nossa comentadora Ana Bia Andrade, como esquecer das damas da época da Bauhaus que não deixaram em nada a dever para seus maridos, como Annie Albers, esposa de Joseph Albers, um dos grandes nomes do design têxtil do século XX e Ray Eames, que junto com o marido Charles criou algumas das peças mais clássicas do design de móveis, além de um extenso trabalho de arte e fotografias. Marianne Brandt foi estudante da Bauhaus e por um tempo até foi a lider do workshop de metais da escola e trabalhou no escritório de Walter Groupius.

Não podíamos esquecer de Lina Bo Bardi, italiana de nascença, brasileira de coração, que foi incrivelmente fértil em diversas áreas, passando por cultura, arquitetura (entre suas obras mais conhecidas estão o prédio do MASP e o Sesc Pompeia, ambos em São Paulo), cinema, artes, móveis, objetos, joias e curadoria.

E Carmem Portinho, um nome talvez desconhecido atualmente (confesso que não a conhecia), mas que é alguém a quem devemos muito mais do que pensamos. Carmem foi a terceira mulher a formar-se engenheira no Brasil, mas antes disso, desde os 15 anos já atuava em prol dos direitors femininos (pela Federação Brasileira ao Progresso feminino). Junto com Bertha Lurtz foi pessoalmente pedir a Geúlio Vargas o direito ao voto femino! Concedido e ratificado na constituição 4 anos depois. Sua contribuição na arquitetura e no urbanismo são igualmente importantes.

Sugiro mesmo vocês conheçam melhor essa história.

Obrigada Ana Bia pelos toques. Você entra nesse rol também, viu!

 

Marianne Brandt

Marianne Brandt

Evelyn Grumbach

Evelyn Grumbach

Lina Bo Bardi

Lina Bo Bardi

Annie e Joseph Albers

Annie e Joseph Albers

Renata Rubim

Renata Rubim

Carmem Portinho

Carmem Portinho

Ray Eames

Ray Eames

As fotos foram tiradas dos links nos nomes das homenageadas ou simplesmente acessando o Google.
Compartilhe: