Dependendo do estado de espírito e das condições físicas do artista japonês Motoi Yamamoto, os labirintos feitos unicamente de sal são criados por meio das sequências de imagens delineadas em sua memória. De acordo com o site Ignant, “as linhas mudam e desaparecem com o passar do tempo. Enquanto está criando, ele não pode dizer se irá alcançar o ponto essencial até o final, pois as linhas são curvas e levam a lugar nenhum. O processo como um todo depende das condições psicológicas e físicas dele, bem como das condições do piso e do nível de humidade. Como na vida diária, ele fica em silêncio seguindo os traços de seus sentimentos e da memória, que são ambos controlados e intencionais desde o começo”.

Para saber mais sobre Yamamoto, acesse www.motoi.biz

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe: