Quando pensamos sobre o mercado editorial contemporâneo, é importante nos atentarmos ao histórico de publicações no Brasil e o caminho que levou a este panorama nacional que – para nós produtores e consumidores de conteúdo no meio impresso – vai de mal a pior. Para discutirmos estas questões, faremos uma série de três textos com artigos e materiais pesquisados pela abcLAB (extensão da abc em pesquisa e experimentos de projetos) que utilizamos na nossa oficina sobre publicação no NDesign 2016.

Esta segunda parte traz recortes da Pesquisa da Mídia Brasileira, realizada em 2015 pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República. O intuito é conhecer o público que consome mídias. Acesse a pesquisa na íntegra clicando aqui.

Entre os meios pesquisados, a revista é o que tem a menor presença no dia a dia dos brasileiros. De acordo com os resultados sobre frequência de uso, 85% dos entrevistados afirmaram que não costumam ler revistas. Se considerado o fato de que, em geral, as revistas impressas têm edições semanais, ainda assim a frequência se mantém baixa, pois apenas 13% dos entrevistados afirmaram ler revista uma vez por semana ou mais.

Entretanto, as revistas são importantes fontes de informação para os brasileiros: 58% dos leitores mencionaram essa como sendo a principal razão pela qual eles consomem esse meio de comunicação. Outros motivos importantes são diversão e entretenimento (36%) e para passar o tempo livre (27%).

Assim como os jornais, a maioria dos brasileiros continua consumindo revistas da maneira tradicional: 70% dos leitores o fazem no formato impresso, 12% no ambiente on-line e apenas 4% utiliza ambos os suportes.

Também de forma semelhante aos jornais, a revista é um meio de comunicação com alto nível de atenção exclusiva: 46% dos leitores não realizam outras atividades no momento em que leem uma publicação. Isso significa que a interação com esta mídia tende a ser menos dispersa, o que poderia permitir às pessoas uma melhor apreensão do conteúdo veiculado, se comparado a outros meios.

Compartilhe: