O Estudio Colletivo de São Paulo vai ser o grande representante do Brasil no TMDG 09, e é o próximo a contar um pouco de suas expectativas para o evento.

colletivo-partners-pic

Sócios do Colletivo

kalimo_post it_capa_51x74mm

Capa Kalimo

poster-zupi-baixa

Capa para Zupi

nike-poster

Poster para a Nike

poster-astro

Poster para o próprio estúdio

Quem ainda não conhece, o Colletivo é um estúdio com base em São Paulo, que está na ativa desde 2003. Eles são bem completos e trabalham desde identidade visual até motion e internet. Em sua lista de clientes, desde Converse, Nickelodeon, Melissa, Almap BBDO e por aí vai…

Com um estilo muito próprio que não cai na mesmice, esse grupo vem sendo bem requisitado por marcas que investem em trabalhos de design com qualidade. Um dos últimos foi uma grande campanha para a Nike.  A Vanessa Queiróz falou com a gente por e-mail e pode explicar um pouco sobre o que vem diferenciando esse escritório.

poster-mantra-colletivo

Cartaz para mostra Colletivo na galeria Melissa

omega-code-baixa

Poster para banda Omega Code

abcDesign – O que você acharam do convite para ir ao TMDG? Como está a expectativa de se apresentar em um evento tão grande?

Colletivo – O convite foi uma surpresa muito boa. Realmente não estávamos esperando. Esse ano, seria o terceiro que iríamos como espectadores, adoramos o evento e seu formato, porque além das palestras, podemos encontrar nossos amigos designers do Brasil todo. Engraçado isso, mas lá, esse encontro está sendo mais frequente do que no nosso próprio país. Além do que, é um evento que está se tornando cada vez mais interessante. E o oitavo ano e ser chamado pra apresentar o trabalho, representar o Brasil é incrível. Agora, 5 mil pessoas é um  número que impressiona mesmo, mas acho que vamos saber só na hora oque é. Mas, frio na barriga, já dá rs…

abcDesign – Vemos que tem voltado ao design trabalhos mais manuais, como que vocês fizeram de massinha para a Zupi ou a campanha para Azul. Na opinião de vocês, porque também é importante trabalhar fora da telinha do computador?

Colletivo – Desde que abrimos o estúdio, em 2003, isso já é uma premissa de nossos trabalhos. Sempre partimos da prancheta, do lápis, tinta. Misturamos materiais. A experimentação faz parte da essência do estúdio, não está só no termo. O computador é apenas uma ferramenta. Acreditamos que a ideia é o que vem antes e é o mais importante, sem dúvida. Poder executar, sem se prender a algum programa de computador, e sim, usá-lo como meio é bem melhor. Além disso, usar materiais como papel, massinha, etc., não é novo e muitas vezes o resultado fica muito bom. Legal mesmo é procurar sair do óbvio!

abcDesign – Vocês trabalham com uma estética bem colorida, divertida, que está bem presente hoje em dia. Você concordam que a diversão, hoje, é importante para trabalhar, especialmente quando se fala em trabalho criativo?

Colletivo – Claro! Na nossa área, em que trabalhamos com prazos, cronogramas, briefings, etc., o que nos resta é tentar deixar o ambiente, a conversa, o mais descontraído possível, porque a criação depende dessa sinergia. Caso o contrário, o processo pode ser tornar insuportável.

abcDesign – No site, vocês mencionam terem um olhar único de ver o mundo. Como é essa maneira ver?

Colletivo – Acho que cada grupo tem seu olhar único, o nosso é a mistura das pessoas que trabalham no Colletivo, nossas referências visuais e de vida, a cumplicidade que existe aqui dentro, valores e principalmente como expressar isso das mais diversas maneiras e estilos.

abcDesign – Vocês chegam a ter resistência dos clientes quando as ideias são fora do comum – para conseguir o “inesperado”?

Colletivo – Sempre, mas isso acho que faz parte do trabalho de designer. Temos que “educar” o cliente, muitas vezes leigo dentro de um projeto. Impossível acharmos que todos os clientes são obrigados a entender de cara a mensagem que queremos passar. Muitas vezes as referências que temos nem passam pela cabeça do cliente quando se tratam de novas aplicações ou de alguma ideia nova. Temos que demonstrar e provar para ele como isso vai ser aplicado, utilizado e o retorno que esperamos do projeto pra ele.

Compartilhe: