Tipografia

A tipografia gótica e sua identidade

A tipografia sempre esteve recheada de muito simbolismo. Em suas diversas formas estéticas está inserido a cultura um povo que representa, a filosofia e pensamento de uma instituição ou organização, e também os meios tecnológicos de reprodução de uma época.

Tipografia. Os signos da palavra através da escrita

A autora Beatrice Warde, já dizia que a tipografia é a voz da página. Em um mundo onde a informação se torna cada vez mais preciosa, sabemos que a importância da tipografia ultrapassa os limites de livros e materiais impressos. Talvez possamos dizer que hoje a tipografia é a voz de um mundo que fala por sinais, signos e palavras. Porém, mais que apenas um elemento que materializa os significados, a tipografia, ou a arte e o processo de criação de caracteres, sempre esteve ligada à cultura e à identidade dos povos que tinham inscritas algumas de suas características em seus tipos específicos de escrita.

O porquê do design – Blackletter

Legibilidade sem dúvida é um conceito que mudou radicalmente. De pensar que durante o século XII a tipo Gótica (sim, essa toda rebuscada) era a que mais fazia sucesso. Isso porque ela conseguiu suprir a demanda de livros na época - que ainda eram copiados manualmente pelos monges - por ocupar menos espaço, gastar menos material e ser mais fácil de reproduzir.

Museu das letras

Um país que preserva é um país que sempre vai ter recursos. É o caso da Alemanha, que tem até mesmo um museu para os seus letreiros. Estou falando do Museu das letras ou, em alemão, Buchstabenmuseum. Os apaixonados por tipografia vão adorar. Veja aqui algumas das relíquias coletadas pelas curadoras, Bárbara Dechant e Anja Schulze