| Texto por Felipa Pinheiro.

A arte é um dos grandes meios de luta política e o artista baiano Tavaro tem refletido bem isso em suas colagens. Apaixonado por fotografia desde pequeno, resolveu recentemente, em 2018, se aventurar na arte e foi na colagem que encontrou sua identidade e entendeu seu papel: dar mais visibilidade à cultura negra.

O artista, enquanto negro, não retrocede, e, sim, avança. Já tem a chave: negro é,  se orgulha de sua origem e utiliza sua arte para que mais pessoas também a valorizem, como no poema histórico “Me gritaram negra” da afro-peruana Victoria Santa Cruz, que é descrição de uma das fotos de Tavaro em seu instagram.

Tavaro, além de dar visibilidade à negritude, também retrata em sua arte o poder feminino e a comunidade LGBTQI+. Em entrevista exclusiva à abcDesign, ele explica: “eu tento de alguma forma trazer ainda mais a visibilidade positiva que o povo preto merece, mas é importante saber que você se torna uma pessoa ainda melhor, quando você não olha só para os seus, então, eu tento de alguma forma dar suporte também a outras causas. Entendo que não sou mulher, eu não passo pelo que uma mulher passa diariamente, mas sabendo até onde devo ir, isso não me impede de fazer minha parte junto delas nessa luta. Então, sim, hoje, eu tento o máximo não deixar ninguém de fora”.

Recentemente, inclusive, o artista produziu a partir de uma foto da fotógrafa Lorena Dini, uma colagem, que retrata o poder da mulher negra e a ligação feminina com os ciclos lunares. Confira o antes e depois:

Foto por Lorena Dini (@diniloris).

Foto por Lorena Dini (@diniloris).

Colagem por Tavaro (@tavaro).

“The tripple Goddess” por Tavaro (@tavaro).

Outra colagem marcante de Tavaro, que retrata o empoderamento feminino e negro, é a arte intitulada “O sagrado feminino”. A colagem tem como cenário o Pelourinho – o bairro mais antigo de Salvador (BA) e patrimônio histórico da UNESCO -, local que na época do regime escravista era reservado ao castigo dos escravos. Então, retratar três mulheres negras como maiores do que todos que estão ali, como se fossem deusas, é ressignificar esse espaço, é mostrar a resistência negra. É realçar a força e o poder do povo negro.

"O sagrado feminino" por Tavaro (@tavaro).

“O sagrado feminino” por Tavaro (@tavaro).

Em relação ao seu processo criativo, o artista baiano explica que a música lhe inspira muito e que também gosta de criar a partir de trechos de poemas. Ele conta que há um tempo atrás estava mal por algumas questões amorosas e, inspirado por uma música, achou na criação artística sua cura: “eu ouvi ‘Lovely’ da Billie Eilish com o Khalid pela primeira vez e não parava de ouvir, estava no repeat, então, resolvi criar pra me distrair. Hoje, se vejo a arte que fiz nesse dia e coloco essa música pra ouvir, eu consigo sentir a mesma sensação que eu havia sentido e choro”.

Colagem inspirada na música “Lovely” de Billie Eilish e Khalid.

Colagem por Tavaro inspirada na música “Lovely” de Billie Eilish e Khalid | Fotografia por @aprilbumphot.

O artista baiano também expõe que o segredo de suas obras é o bom desenvolvimento do trabalho com as sombras. O que torna tudo mais realista, como é possível perceber. Veja mais algumas de suas colagens:

"Transborde paz", colagem por Tavaro (@tavaro) | Fotografia: Jonathan Wolpert (@jonathanwolpert).

“Transborde paz”, colagem por Tavaro (@tavaro) | Fotografia: Jonathan Wolpert (@jonathanwolpert).

Colagem por Tavaro (@tavaro) | Fotografia por Vinicius Terranova (@viniciusterranova)

Colagem por Tavaro (@tavaro) | Fotografia por Vinicius Terranova (@viniciusterranova)

Colagem por Tavaro (@tavaro) | Fotografia por Emerson Santana (@emersonph).

Colagem por Tavaro (@tavaro) | Fotografia por Emerson Santana (@emersonph).

Colagem por Tavaro (@tavaro) | Fotografia por Jesper Hede (@jesperhede).

Colagem por Tavaro (@tavaro) | Fotografia por Jesper Hede (@jesperhede).

Colagem por Tavaro (@tavaro) | Fotografia por Thomas Holm (thomasholmphoto).

Colagem por Tavaro (@tavaro) | Fotografia por Thomas Holm (thomasholmphoto).

Colagem por Tavaro (@tavaro) | Fotografia por Rony Hernandes (@ronyhernandes).

Colagem por Tavaro (@tavaro) | Fotografia por Rony Hernandes (@ronyhernandes).

Compartilhe: