Quando assisti ao filme “Terapia do Amor” (Prime, em inglês – malditas traduções!), com a atriz Uma Thurman, Meryl Streep e Bryan Greenberg, o que mais me chamou a atenção foram os quadros (Greenberg é um artista “enrustido” no filme), que na verdade são pintados pelo canadense Tim Okamura.

Com os dois pés no hiperrealismo, Okamura retrata a street art e o multiculturalismo das ruas de Nova York, onde mora, fugindo dos temas das pinturas hiperrealistas que temos visto (que eu também adoro). Esse viés sem dúvida é reflexo de sua própria mistura de culturas, sendo meio japonês, meio britânico e natural do Canadá.

Numa entrevista, ele deu a seguinte declaração sobre os temas dos seus quadros: Algumas vezes as pessoas questionam um pouco, mas eu não me considero uma autoridade em cultura afro-americana ou mesmo da vida em sim. Sou realmente um contador de histórias e, em meus retratos, há uma narrativa e eu acho que as pessoas que eu pinto, na minha opinião, têm histórias muito importantes para serem contadas”.

E Hollywood pelo jeito gosta do cara, porque os quadros deles já apareceram em vários filmes, como Escola do Rock e Infidelidade.

 Imagens do site do Tim Okamura e do Axis Art.

Compartilhe: